Artesanato - Revista TAP Portugal

Feira do Empreendedor - Sebrae (DF)

Filigrana entre os Top 100 de Artesanato

Data: quinta-feira, 27 de setembro de 2001
Veículo: Gazeta Mercantil

Roteiro
Ano II Nº 98- Brasília, 27 de setembro a 3 de outubro de 2001
Página 27

Em meio a cobre, ácido e níquel

     Em diversos momentos da criação humana, a natureza foi fonte de inspiração. Mas quase sempre ela simplesmente serve ao homem, que a observa de longe, sem muito interferir. O ato de pintar o quadro de uma paisagem, fazer uma escultura de animal ou uma planta são corriqueiros na atividade artística. Mas dificilmente os elementos servem como material.

     A artista Tânia Helou faz isso como ninguém. De folhas secas, flores do cerrado, sementes exóticas, cria belas e inimagináveis jóias, como pingentes e brincos. São verdadeiras obras de artes.

     Ao lado do marido e sócio, Edênio de Paula, Tânia passou um ano pesquisando formas de metalizar os elementos naturais e, deste abril deste ano, comercializa as peças, todas confeccionadas na varanda de sua casa. Na verdade, o espaço não tem nada de varanda, é um verdadeiro laboratório com tanques de todos os tipos de produtos químicos, onde as peças recebem seqüências de banhos até atingirem o aspecto de banhadas a ouro.

     Tânia incorpora a química-criadora e passa hora a fio enfurnada em seu laboratório, em meio ao cobre, ácidos e níquel. "muitas vezes começa de manhã bem cedo, e só paro de madrugada", confessa a artesã. Mas toda essa dedicação tem uma explicação: além da paixão pelo que faz, uma peça leva, durante todo o processo, que envolve impermeabilização e todos os banhos, aproximadamente uma semana para ficar pronta.

     A filigrana é uma técnica conhecida há muitos séculos, e atualmente é usada para dar um efeito diferenciado nas jóias. Consiste em uma obra da ourivesaria formada de fios de ouro ou de prata, delicadamente entrelaçados e soldados. "Só que muito antes de um ourives trançar estes fios a natureza já os fazia em suas folhas. No cerrado, as folhas são rígidas e de consistência dura, assim, podemos observar este trabalho de ourivesaria em todos os seus detalhes, inclusive banhar em ouro e eternizar a natureza", Observa Tânia.

     São carrapichos, sementes de sinamono, gengiroba, folhas inteiras, flores como o chapéu de mandarim, além das famosas canela-de-ema, pimenta, castanha do pará e pipoca.

     Os preços das obras variam de R$27 a R$42. "Procuro interferir o menos possível nas peças, por isso sempre as apanho no chão", explica Tânia, que está sempre mostrando seu trabalho em feiras da cidade como a Pontão Fest e o Design Arte.

     CONHEÇA

     Filigrana do Cerrado, Tânia Helou e Edênio de Paula, telefone: 340-1207.
CLS 314 - Bloco C - Loja 12 - Asa Sul
CEP: 70.383-530 - Brasília - DF
Fone: (61) 3201.9564 / (61) 8139.1681
atendimento@filigranadocerrado.com.br